Você está aqui: Home Criatividade - Inovação Globalização, avanço tecnológico e a necessidade
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Buscar

Globalização, avanço tecnológico e a necessidade


Robson Paz Vieira*


No contexto competitivo atual é impossível negar a importância da
tecnologia para o desempenho das empresas em seus respectivos
mercados de atuação. Novos desafios se apresentam em freqüência e
intensidade crescentes, potencializados por uma rede de mudanças
ambientais, políticas, econômicas e tecnológicas que pressionam a
empresa a assumir novas posturas e procurar novos meios de se
diferenciar de seus concorrentes.
Com mercados e seus participantes mudando constantemente, para que
uma empresa consiga estabelecer uma vantagem competitiva sustentável
é necessário que ela procure continuamente inovar para competir
(TAPSCOTT & CASTON, 1993).
A história da evolução dos negócios é repleta de empresas - incluindo
grandes companhias multinacionais - que falharam porque não
acompanharam as mudanças e tendências de mercado ou porque não
entenderam ou souberam atender às necessidades de seus clientes.
Por isso, a modernização tecnológica, hoje, é aceita como um dos fatores
fundamentais para dinamizar o processo de desenvolvimento. Quanto
maior o ritmo de desenvolvimento que se quer imprimir em uma empresa
ou em uma sociedade como um todo, mais elas devem estar vinculadas ao
uso de tecnologias adequadas às suas matérias primas, aos seus recursos
humanos e à sua realidade (MARCOVITCH, 1996).
Porter reafirma a importância de as empresas procurarem criar vantagem
competitiva por meio da inovação, melhorando ou criando novas maneiras
de desenvolver suas atividades, o que incluiria:
• Modificações de produtos e / ou serviços;
• Mudanças nos processos;
• Novas abordagens de comercialização e interação; e
• Novas formas de distribuição (PORTER, op. cit.: 62).
Em menor ou maior grau a tecnologia da informação, com maior ênfase a
Internet, se aplica como ferramenta facilitadora em cada um desses
processos.
Todo esse trabalho parte do pressuposto que as empresas são,
basicamente, conjuntos de componentes dinâmicos que interagem
constantemente entre si e que possuem a sua disposição inúmeras fontes
- tangíveis e intangíveis - que podem ser usadas para criar diferenciais
competitivos.
Para que as empresas possam recolher e utilizar essas informações e, em
última instância, serem bem-sucedidas em sua atuação frente às novas
configurações que se apresentam no mercado é necessário que elas
utilizem as tecnologias disponíveis, principalmente para ter a oportunidade
de conectarem suas atividades em tempo real e traduzirem essa conexão
em novos e inovadores relacionamentos com clientes, fornecedores,
investidores, funcionários e sociedade como um todo para obter vantagem
competitiva.
Os negócios empresariais no ambiente globalizado
É impossível o estabelecimento de estratégias bem sucedidas sem que a
empresa se volte para o ambiente onde está inserida, monitorando suas
configurações e tentando prever ou se antecipar às suas tendências,
montando assim as diretrizes para a sua atuação no mercado.
Autores como ETZEL, WALTER & STANTON (2001) e KOTLER (2000)
afirmam que o ambiente externo possui uma série de fatores que não são
controláveis pela empresa, mas que influenciam a sua atuação e a sua
relação com os clientes, fornecedores, intermediários e concorrentes.
Atualmente, dentre tantos fatores, dois têm se destacado como bases de
funcionamento do mercado, margeando as atividades da maioria das
organizações e afetando o seu nível de competitividade: a globalização e a
tecnologia da informação.
O fenômeno da globalização, ao mesmo tempo em que permite que as
empresas e indivíduos atuem em mercados inimagináveis, está
demandando às empresas que elas façam uso estratégico da tecnologia à
sua disposição para que possam alcançar níveis de competitividade
adequados. Todo esse processo implica, necessariamente, na
especialização da estrutura produtiva, especialmente no tocante às
atividades de infra-estrutura, como os serviços bancários.
É fato indiscutível que produtos, serviços ou atividades empresariais não
se restringem mais às fronteiras de um só país (nem poderiam). Com o
advento de sistemas computacionais altamente desenvolvidos, estreita-se
a interdependência entre países e aumenta a concorrência entre as
organizações, e todos os setores econômicos de um país estão envolvidos
nesse processo.
Devido à pressão para baixar custos, melhorar a qualidade e atender os
mercados da melhor maneira possível, os negócios começam a se
desenvolver com o olhar mais voltado para conceitos globais amparados
por movimentações econômicas e políticas - como, por exemplo, a criação
de mercados de livre comércio - que têm influência direta sobre a
competição global.
A importância da concorrência global não se refere somente às empresas
que atuam em outros países. Aquelas que atuam apenas localmente
também devem se preparar tanto para atender clientes com presença no
exterior quanto para enfrentar a competição de empresas que vêm atuar
em seus mercados (situação clara no setor alvo deste estudo).
Os clientes também têm assumindo um papel influenciador importante
para que uma empresa adote uma orientação global, porque, conforme
eles se tornam globais esperam que seus fornecedores também o sejam,
ou, pelo menos, que lhes ofereçam produtos e / ou serviços com
qualidade global (TERPSTRA & SARATHY, 2000).
É fato que clientes que atuam em vários países têm a propensão a realizar
seus negócios com empresas que tenham a capacidade de adaptar e
entregar soluções customizadas para os seus problemas e que atendam
suas necessidades, quando e onde quer que eles estejam desenvolvendo
seus negócios, nesse contexto, a TI começa a ganhar importância
crescente (DANIELS & DANIELS, 1994).
A globalização requer uma mudança estrutural fundamental nas práticas
de negócios que pode ser amparada pela tecnologia.
Para uma empresa ser considerada globalizada ela deve:
• Ter um conceito de negócios globalizado;
• Ter a habilidade de desenvolver negócios independentemente de
localizações de uma maneira integrada, sem fronteiras;
• Construir redes de confiança dentro e fora da empresa;
• Assegurar que os ajustes culturais necessários sejam realizados;
• Preocupar-se que seus executivos estejam preparados a atuar
como coordenadores e conectores, procurando obter as
vantagens de se atuar com economias de escala e escopo; e,
• Comunicar-se abertamente para que seja transmitida uma visão
clara de longo prazo para a empresa (idem, p. xvii-xix).
Em essência, a globalização envolve realizar negócios ao redor do mundo
procurando balancear as qualidades globais dos produtos ou serviços e as
necessidades únicas das diversas bases locais de clientes. Para isso, a
empresa deve procurar dissolver idéias etnocêntricas1, reconhecer os
talentos internos e procurar a cooperação dos seus clientes globais (idem,
p. 12-4).
Mesmo que a globalização e conseqüente interdependência crescente
entre os mercados seja uma realidade para a maior parte das economias
nacionais, lidar com ela ainda se constitui em um grande desafio para as
1 Etnocentrismo pode ser definido como o modo com que um grupo se considera como referência, classificando os
demais grupos a partir de suas características (FERRARO, 1994: 39).
empresas (OLIVEIRA JR., 1999: 96).
A partir do momento que os mercados começam a se abrir e
investimentos estrangeiros fluem entre países internacionalizando o
capital das empresas, grande parte das suas atividades precisa ser
reestruturada para se adaptar às novas configurações, o que embute
também riscos e dificuldades - como conflitos culturais e aumento do
desemprego - particularmente nos países em desenvolvimento. Não há,
entretanto, como não aceitar os benefícios de uma maior e mais ampla
disseminação de conhecimentos, que propicia novas oportunidades e
novos desafios para as empresas.
Obviamente, muitos aspectos influenciam o conceito de globalização, mas
a maior parte deles é potencializada por progressos tecnológicos, isso
desde a integração comercial até a comunicação mais diretas e
transparentes entre os países.
Se há uma verdade absoluta sobre a globalização é que uma empresa não
pode se tornar realmente global sem fazer um uso consciente de uma
ampla variedade de tecnologias de informação. Uma boa utilização da TI
permite a minimização dos impactos negativos de distância e tempo e o
compartilhamento mais fluido de conhecimento dentro e fora da empresa
(DANIELS & DANIELS, op. cit.: 22).
A importância da tecnologia da informação diante da globalização
A Tecnologia da Informação pode ser definida como:
"Um conjunto de hardware e software que desempenha uma ou mais
tarefas de - processamento de informações do sistema de informações,
como coletar, transmitir, estocar, recuperar, manipular e exibir dados" (
WELZEL & ERDMANN, 2001: 2)
A TI pode ser enxergada como o resultado da evolução e união da
informática, das telecomunicações e da automação (GONÇALVES, 1994:
106).
Expandindo-se esse conceito, observa-se que a TI pode agir também
como facilitadora e modificadora das formas tradicionais de se realizarem
os negócios.
A TI surgiu como ferramenta para reduzir custos e agilizar o processo de
troca de informações (GONÇALVES & GONÇALVES FILHO, 1995: 83). Para
atingir esse objetivo ela é capaz de assumir uma série de funções dentro
de uma empresa, entre elas (DANIELS & DANIELS, op. cit.: 74):
• A automatização de processos;
• A construção de infra-estruturas de comunicação internas e
externas;
• A conexão da empresa com clientes e fornecedores;
• O apoio à tomada de decisão; e,
• O aumento da velocidade de transmissão das vias de
informação.
Ela pode ser considerada um ‘dinamizador’ das mudanças processadas nas
empresas, em sua forma de competir, desempenhando um papel central
para torná-las mais aptas a responder às mudanças que ocorrem no
mercado e para buscar novos parâmetros de aprendizado, especialmente
no que diz respeito à globalização de mercados (SILVA, 1994: 186).
Visto isso, pode-se afirmar que a TI pode ser considerada um dos mais
poderosos instrumentos organizacionais com influência para alterar as
bases de competitividade e estratégias empresariais (ALBERTIN, op. cit:
195).
Entende-se por competitividade:
"a capacidade da empresa de formular e implementar estratégias
concorrenciais, que permitam conservar, de forma duradoura, uma
posição sustentável no mercado" (AMIGO, 1998: 112).
Resultando de:
“um conjunto de ações produtivas, administrativas e comerciais, que
permitem à empresa alcançar seus objetivos de rentabilidade,
crescimento e participação nos mercados, mediante a conquista e
manutenção de clientes previamente selecionados" (RODRIGUES FILHO,
1999: 139).
Portanto, ela refere-se, basicamente, ao quanto uma empresa é eficaz e
eficiente em relação aos seus concorrentes em servir os seus clientes
(DICKSON, 1994: 82).
Nos anos recentes, começou-se a verificar que a TI e os sistemas de
informação baseados no computador podem ser usados não apenas como
meios para melhorar a eficiência das operações, mas também como meios
para prover novas oportunidades às organizações (Bannon in ALBERTIN,
1996: 16).
A convergência e integração do computador com as telecomunicações e a
onipresença do computador, em todos os aspectos de nossas vidas,
significam que poucas atividades dentro de uma organização escapam da
influência da tecnologia.
A tecnologia não só tem papel importante como parte da estratégia de
uma empresa, ajudando-a na obtenção de vantagem competitiva e
assegurando a sua sobrevivência, mas também, funciona como força
impulsionadora que cria a necessidade de mudança.
O uso da tecnologia envolve a necessidade de visão e perspectiva,
vislumbrando-se para onde ela está caminhando e como pode nos ajudar
com a dinâmica das mudanças, superando restrições e criando
oportunidades.
O uso estratégico da TI pode, indubitavelmente, agir como um facilitador
para o alcance de objetivos globais de negócios, ajudando a administrar
fluxos essenciais de negócios de uma maneira integrada, a compartilhar
conhecimento e transferir habilidades em uma base mundial, e a reduzir
os impactos de tempo e distância.
É fato que o fluxo de conhecimento e informação agilizado pela TI – que
reduz tempo e gastos para realizá-lo – pode servir de base para o
desenvolvimento de competências estratégicas nas empresas, constituindo
assim, uma ferramenta para a competitividade (OLIVEIRA JR., op. cit.:
25).
É importante ressaltar, no entanto, que o acesso à tecnologia não é
restrito a uma só empresa, sendo aberto a todos os concorrentes no
mercado; por isso, quando se decidir a usar uma nova tecnologia a
empresa precisa estudar se seu uso dará a ela um status competitivo
junto a seus concorrentes que possibilite a obtenção de vantagens
competitivas.
Além disso, a TI, por si só, não assegura o sucesso de uma empresa. Uma
estratégia de mercado bem sucedida exige tanto o balanceamento entre
as mudanças tecnológicas e organizacionais, como a colaboração entre os
diversos departamentos da empresa e desta com os clientes, deixando a
eles a escolha final sobre qual canal ou canais eles se sentem mais a
vontade para utilizar na realização de seus negócios com a organização
(DANIELS & DANIELS, op. cit.: 64).
É essa liberdade de escolha, combinada com a transparência no
desenvolvimento de negócios e a rapidez de oferecimento de soluções que
pode possibilitar que a tecnologia seja uma fonte de criação de valor para
o cliente.
Porter afirma que a tecnologia da informação está transformando o modo
como as atividades geradoras de valor são executadas e a natureza das
articulações entre estas atividades, influindo também no ambiente
competitivo e remodelando a maneira pela qual os produtos atendem às
necessidades do cliente. Talvez esses efeitos básicos expliquem porque a
TI adquiriu importância estratégica nos últimos tempos (PORTER, 1989:
112).
A tecnologia da informação
A administração de uma pequena ou média empresa, da mesma forma
que as empresas de grande porte, por ter de lidar com muitas
informações, passa a exigir mais recursos de hardware, software e de
telecomunicações, o que vem desafiando os gestores de estratégias de TI.
É um setor que acompanhou de perto a evolução da tecnologia
relacionada aos meios de cálculo, controle e comunicação. As primeiras
máquinas de calcular teriam passado pelo sistema bancário da época.
Evolução histórica
Na Europa pré-renascentista, as necessidades da burguesia e do
capitalismo mercantil desenvolveram uma economia monetária e os
rudimentos da contabilidade. O aumento das receitas e despesas exigiu
novos aperfeiçoamentos, impulsionando a ciência e as pesquisas. Nesse
sentido, um grande marco da evolução da tecnologia de meios de cálculos
passa pelo matemático e filósofo francês Blaise Pascal (1623-1662) com a
invenção da primeira máquina (Pascaline - 1642), com um mecanismo de
capacidade para oito dígitos que efetuava a adição e subtração
(Microsistemas, 1995).
Outros cientistas contribuíram para o aprimoramento das máquinas de
calcular, mas o grande salto se dá nos Estados Unidos em 1886, quando o
estatístico Hermann Hollerith (1860-1929), funcionário do National Census
Office, observa que o processamento manual de dados do censo de 1880
demoraria cerca de 7 anos e meio para ser concluído. Raciocinando que o
censo seguinte, de 1890, não estaria totalmente concluído antes do ano
de 1900 devido ao aumento da população, dedica-se à construção de uma
máquina para tabular esses dados. No censo de 1890, 300 de suas
máquinas, baseadas nos princípios de Babbage e empregando cartões
perfurados, diminuem a demora do processamento de cerca de 55 milhões
de habitantes para aproximadamente 2 anos (WOLFSDORF, 1988).
O sucesso da máquina leva Hollerith a fundar a própria companhia (1896)
para fabricá-las e comercializá-las: a Tabulating Machine Company. Em
1924 o nome da Companhia é alterado para Industrial Business Machines
- IBM, pioneira no emprego da eletricidade para a perfuração / leitura de
cartões. A tecnologia de cartões perfurados só será superada em 1960
(WOLFSDORF, 1988).
A década de 70 marca o início da grande corrida tecnológica. Tem como
fator preponderante a produção comercial de circuitos integrados.
Baseados nesse recurso, a IBM apresenta ao mercado o System / 360,
primeira família com aqueles componentes. É dessa época o nascimento
da tecnologia denominada Large Scale Integration - LSI capaz de
concentrar milhares de transistores numa única pastilha de silício,
introduzindo o conceito de Unidade Central de Processamento - CPU.
O mercado começa a perceber a possibilidade de uso de
microcomputadores para uso doméstico. Diversos fabricantes
aproveitaram a abertura dada pela IBM da sua arquitetura Personal
Computer - PC e produziram a preços reduzidos os novos computadores
chamados 113M-PC compatíveis.
A IBM só percebeu o potencial de mercado em 1981, quando lançou o seu
microcomputador PC. Nesse ínterim, a concorrência já dominava 84% do
mercado (Microsistema, 1995).
A rápida disseminação dos microcomputadores PC contaminou também o
setor financeiro. Inicia-se uma fase de descentralização, inicialmente com
a distribuição de terminais conectados diretamente aos computadores
centrais "Mainframes" (terminais 3270) e em seguida, ainda rudimentares
microcomputadores. A área de CPD ainda controlava todas as operações
de informática, mas o usuário começa a ter autonomia para definir as suas
necessidades.
Da Era do Computador para a Era da Informação
A Era do Computador predominou até o final da década de 70 e a Era da
Informação começou a partir dos primeiros anos da década de 80, sendo
que muitas empresas ainda estão na transição entre as duas e no Brasil
essa mudança teve início por volta da metade da década de 80.
ALBERTIN (2001) apresenta as características em relação às naturezas da
Era do Computador e da Era da Informação.
A informática passou a ter mais enfoque de negócio e menos de técnico.
Essa mudança é resultado de processos de evolução das organizações,
determinado pela competitividade do mercado e sobretudo pela tecnologia
de hardware, software e telecomunicações e também dos usuários que
perceberam uma nova abordagem dessa tecnologia (ALBERTIN, 2001).
Sob ponto de vista organizacional, a grande mudança foi o do conceito de
Central de Processamento de Dados (CPD) para Tecnologia de Informação
(TI). Unidade que passa a exercer importância vital nas organizações,
sobretudo nas do setor financeiro. Paralelamente à evolução da tecnologia
computacional para tecnologia da informação, cresce o poder dos
executivos das unidades de tecnologia que passam a deter informações
estratégicas da organização. A informação passa a representar poder
dentro das organizações.
LAURINDO (2002, p. 17) reforça essa observação:
“Há uma espécie de 'encantamento' com as aplicações de TI que
viabilizam mecanismos da chamada economia globalizada, em especial o
chamado 'comércio eletrônico’ (e-commerce)”.
Custo Social
A tecnologia e sua disseminação, através dos sistemas de informação2,
implicam profundas alterações nos padrões das organizações, afetando
sua estrutura e gestão, que tendem a assumir formatos diferenciados,
compatíveis com as novas tecnologias introduzidas. Um exemplo dessas
tecnologias é a informática.
Sua introdução nas organizações difundiu a informação em todos os
níveis, agilizou as comunicações e os processos de tomada de decisão,
promoveu descentralização e, por conseguinte, eliminou uma série de
níveis hierárquicos intermediários que, na verdade, processavam
informações ou dados hoje assumidos pelas tecnologias de informação,
evidentemente com base em um novo perfil de recursos humanos
adequados a essa inovação.
"O impacto da tecnologia pode provocar transformação no trabalho das
pessoas, na produção dos grupos, no desenho da própria organização e
no desempenho da própria empresa..." (GONÇALVES, 1998, p. 15)
Ainda para GONÇALVES (1998), a tecnologia impulsiona o novo ambiente
empresarial, estimulando a produtividade dos "trabalhadores do
conhecimento" e prestadores de serviços, a qualidade dos produtos e
serviços, o outsourcing de atividades de produção e serviços, as parcerias
2 Sistema de informação: de acordo com PELEIAS (2002), pode ser definido como ‘combinação de pessoas,
tecnologias, mídias, procedimentos e controles, com os quais se pretende manter canais de comunicação
relevantes, processar dados de atividades, eventos e transações rotineiras, chamar a atenção dos gestores e de
outras pessoas para fatores internos e externos significativos, e assegurar as bases para a tomada de decisões
inteligentes’.
e a formação de alianças estratégicas, dentre outros aspectos.
O fato relevante é que nas sociedades industrializadas, o progresso
técnico tem pelo menos três metas básicas: redução do esforço humano,
aumento da qualidade do produto e da produtividade. E essa tem sido a
direção perseguida quando se introduzem novas tecnologias nas
empresas, com resultados notáveis:
“A incorporação de equipamentos de automação industrial cada vez mais
poderosos, baratos e rápidos vem transformando os sistemas fabris,
redefinindo padrões de eficiência, qualidade e processos de produção".
(COUTINHO e FERRAZ, 1994, p. 48).
Do ponto de vista administrativo ou produtivo, por exemplo, pode-se dizer
que a tecnologia afeta consideravelmente os métodos e processos de
trabalho e a produtividade e, necessariamente, requer trabalhadores mais
completos, isto é, qualificados para o uso das novas tecnologias e poli
valentes para dar respostas rápidas aos problemas.
Nesses termos, a tecnologia também tem o papel de ampliar as
capacitações humanas, constituindo-se em uma potente força
impulsionadora do desenvolvimento. Com a revolução industrial, o papel
da tecnologia foi o de aumentar a capacidade física de realizar o trabalho.
Com a revolução da informática, o papel da tecnologia foi o de aumentar
as capacitações mentais (DAVENPORT, 1994).
De todo modo, o impacto das novas tecnologias sobre o trabalho deve ser
analisado tanto no que se refere ao indivíduo quanto no que se refere ao
grupo. Segundo DAVENPORT (1994), ocorrem mudanças no conteúdo e
natureza das tarefas, nas habilidades requeridas, no ritmo do trabalho,
dentre outras. Isto afeta todo um conjunto e requer um novo modo de
organizar e distribuir as atividades.
Com conseqüências sobre a forma de administrar as organizações e a
forma de trabalho das pessoas, as inovações tecnológicas são vistas, não
raro, como fonte de incertezas, tanto por alterarem as características
internas quanto por afetarem as condições de competição, investimento e
rentabilidade das empresas (DAVENPORT, 1994).
Do ponto de vista da qualidade dos produtos e serviços, a introdução de
novas tecnologias tende, de fato, a contribuir para a melhoria de
processos, produtos e oferta de serviços agregados aos produtos. Nesse
último caso, tais serviços podem ser mais facilmente disponibilizados com
o concurso das tecnologias modernas, mormente as tecnologias de
informação.
As tecnologias podem ser empregadas, por exemplo, para modernizar as
técnicas produtivas, reduzir os tempos de produção, reduzir estoques
através da integração com fornecedores. Do lado do cliente, a tecnologia
pode viabilizar, num mercado massificado, o tratamento diferenciado e
personalizado, o atendimento de qualidade, tudo com a intervenção de
tecnologias de informação.
A tecnologia é, então, um recurso altamente estratégico. Nesse sentido,
para RATTNER (1984, p. 87), a tecnologia, "por sua capacidade de induzir
mudanças estruturais fundamentais ao nível da organização e da produção
da empresa", não permite improvisação e deve fazer parte do processo de
planejamento a médio e longo prazo das organizações.
É importante ainda a observação de DAVENPORT (1994) para quem "a
tecnologia é dinâmica e evolui rapidamente. O rápido desenvolvimento das
formas de tecnologia dificulta identificar as novas formas de organização
que aparecerão no futuro".
A tecnologia da informação está transformando o modo de operação das
empresas e afetando todo o processo de criação de produtos. Ademais,
está reformulando o próprio conceito de produto, que passa a ser visto
como um pacote de bens físicos, de serviços e de informação, voltado
para a criação de valor para os clientes.
Para PORTER (1999) a partir do conceito de “cadeia de valores” é possível
visualizar a importância da tecnologia da informação na competição. A
cadeia de valores identifica as várias atividades diferenciadas, do ponto de
vista tecnológico e econômico, que a empresa desempenha para atuar em
seu negócio. São as chamadas "atividades de valor".
Todas as atividades de valor criam e usam informação de alguma espécie.
A atividade logística, por exemplo, utiliza informações como programação
de entregas, preços dos transportes e planos de produção, para assegurar
a entrega pontual e a eficácia em termos de custo. Uma atividade de
serviços usa informações sobre as solicitações para programar visitas e
compra de peças e gerar informações sobre defeitos nos produtos, que
serão utilizadas pela empresa na revisão do projeto dos produtos e dos
métodos de fabricação.
A Tecnologia da Informação também está disseminando negócios
completamente novos, exercendo um impacto muito forte sobre os
relacionamentos no âmbito da negociação entre fornecedores e
compradores ao afetar os elos entre as empresas e seus fornecedores,
canais de distribuição e compradores. Tornam-se comuns os sistemas de
informação que ultrapassam as fronteiras da empresa. Em alguns casos,
alteraram-se as fronteiras dos próprios setores.
Para PORTER (1999), a tecnologia da informação está alterando as
relações entre escala, automação e flexibilidade, com conseqüências
potencialmente profundas. A produção em grande escala deixou de ser
essencial à automação. Como resultado, caíram as barreiras à entrada em
vários setores.
Fica claro que, para o autor, a tecnologia da informação é mais do que
apenas computadores, uma questão de hardwares, devendo ser concebida
de maneira ampla, para abranger as informações que a empresa cria e
utiliza, assim como uma vasta gama de tecnologias convergentes e
vinculadas que as processam. De forma que o conceito envolve, além de
computadores, equipamentos de reconhecimento de dados, tecnologias de
comunicação, automação de fábricas e outras modalidades de hardware e
de serviços.
Demonstrada a importância da tecnologia no processo de gestão e tomada
de decisões na economia atual e as respectivas conseqüências no âmbito
social, aborda-se, no próximo item, o surgimento dos Sistemas de Gestão
Empresarial e a evolução dos mesmos até os dias atuais.


*Robson Paz Vieira - com formação em Computação pela UNISANTA, Pós-Graduação
em Análise de Sistemas pela FECAP, MBA em Gestão Empresarial pela FGV, é professor
universitário na UNIP, consultor, Mestrando em Administração com Ênfase em
Liderança pela Universidade Santo Amaro (UNISA). Atualmente é o Coordenador de TI
e da Gestão da Qualidade na SEISA – Assistência Médica, localizada em Guarulhos.


Bibliografia
LAUDON, KENNETH C. & LAUDON, JANE PRICE. Sistemas de Informação. São Paulo:
LTC
REZENDE, DENIS ALCIDES. Tecnologia da Informação. São Paulo: Atlas, pg 54-69.
2003.
ROSINI, ALESSANDRO MARCO. Administração de Sistemas de Informação: Thomson,
pg. 54-58 2003.
BUCKHOUT, S., FREY, E.; NEMEC JR. Por um ERP eficaz. HSM Management. Set-Out, p.
30-36. 1999.
CENTOLA, N. & ZABEU S. B. Pequenas e médias empresas: tomem a rédea de seus
negócios! PC WORLD, pg. 34-54. Março, 1999.
CORRÊA, H.L.. ERPs: Por que as implantações são tão caras e raramente dão certo?
Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Industriais, 1. Anais.
São Paulo: FGV-SP, pg. 288-300. 1998.
CORRÊA , H.C.; GIANESI, I.; CAON, M. Planejamento, programação e controle da
produção: MRP II/ERP: conceitos, uso e implantação. São Paulo: Gianesi Corrêa &
Associados: Atlas, pg. 130-154. 1997.
CUNHA, M.A.L.. Gestão integrada de processos de negócio. Simpósio de Administração
da Produção, Logística e Operações Industriais ,Anais. São Paulo: FGV, pg. 184-194.
1998.
DAVENPORT, T.H. Putting de enterprise into the enterprise system. Harvard Business
Review. Jul_Ago. 1998, pg. 1221-1231.
DEMPSEY, M. Pacote de ERP não resolve tudo. Gazeta Mercantil, 15-06-1999.
DELOITTE CONSULTING. ERP's Second Wave: maximizing the value of ERP_Enabled
Processes. Relatório de pesquisa publicado pela Deloitte Consulting disponível no site,
1998.
HEHN, H.F. Peopleware: como trabalhar o fator humano na implementação de sistemas
integrados de informação (ERP). São Paulo: Editora Gente, 1999.
INFORMÁTICA EXAME. Uma tropa de elite para tocar o negócio. Maio. 1997, p. 94-97.
LIMA. A.D.A. et al Implantação de pacote de gestão empresarial em médias empresas.
Artigo publicado pela KMPress disponível no site, 13 fevereiro 2000. Acessado em 9
jun. 2000.
MENDES,J.V.&ESCRIVÃO FILHO,E. O sistema integrado de gestão é fator de
competitividade para as pequenas e médias empresas? Revista Uniara, n.8,
2000.pg.13-21.
MENDES, J.V. & ESCRIVÃO FILHO, E. Discussão sobre as vantagens e desvantagens da
ação de sistemas integrados de gestão. Revista Relações Humanas, n. 18, fevereiro
2001, pg.27-31.
MILTELLO, K. Quem precisa de um ERP? Info Exame. Março, p. 140, 1999.
LOPES, F. Et al. Revolução no setor de softwares de gestão. Relatório da Gazeta
Mercantil Latino-Americana, 26/07 à 01/08 de 1999.
SOUZA, C.A.; ZWICKER, R. Ciclo de vida de sistemas ERP. Caderno de pesquisas em
administração, São Paulo. V. 1, No 11, 1o Trim./2000.
STAMFORD, P. P. ERP's: prepare-se para esta mudança. Artigo publicado pela KMPress
disponível no site, junho 2000. Acessado em 13 setembro 2000.
Manuel Meireles Curso de ASI - Administração de Sistemas de Informação [art03]
Artigo: Sistema Integrado de Gestão (ERP) em empresas de médio porte Autoria:
Juliana Veiga Mendes; Edmundo Escrivão Filho In: Resumo dos Trabalhos XXV
Enanpad. Rio de Janeiro: Anpad, 2001.
TAURION, C. Oportunidades e riscos na escolha de uma solução ERP. Artigo publicado
pela GESTÃO EMPRESARIAL, edição no 1, nov/98-jan/99, disponível no site. Acessado
em 24 setembro 2000. WOOD Jr., T. Modas e modismos gerenciais: o caso dos
sistemas integrados de gestão. Relatório no 16/1999. Série de Relatórios de Pesquisa,
NPP - Núcleo de Pesquisas e Publicações. Escola de Administração de Empresas de São
Paulo. FGV.

 

Maurício de Paula

Feed RSS


Últimos Posts do Blog

Artigos mais lidos da biblioteca

Últimos Vídeos